9 coisas que tem de saber antes de pôr um Aparelho Dentário

Corrigir o posicionamento dentário pode mudar vidas. É possível consegui-lo ao colocar um Aparelho Dentário e promover a deslocação dos dentes até à posição desejada.

Ainda assim, avançar para este tratamento é uma decisão que requer ponderação. Afinal, é uma estrutura que ficará consigo pelos próximos meses ou anos e que pode levar a algumas adaptações.

Para que saiba de forma mais clara o que esperar, revelamos neste artigo alguns pontos essenciais sobre este tipo de tratamento ortodôntico que deve conhecer antes de o iniciar.

 
1. Existem vários tipos de Aparelhos Dentários.

As estruturas orais variam consoante a pessoa. Isto significa que cada caso precisa de forças específicas, aplicadas em pontos também específicos. É por esta razão que não há apenas um tipo de Aparelho Dentário, mas sim vários.

Um dos aspetos que mais os distingue é o seu caráter fixo e removível. No primeiro caso, como o nome indica, o Aparelho permanece fixo nos dentes. No segundo, pode ser removido pelo paciente quando for necessário.

Os Aparelhos fixos podem ser:

  • Convencionais metálicos: com brackets e outros elementos metálicos de fixação, como os elásticos;
  • Convencionais estéticos: com as mesmas estruturas que os anteriores, mas desta vez com brackets transparentes;
  • Autoligados: sem elásticos, com brackets ligados entre si;
  • Linguais: com brackets fixos na superfície interna dos dentes.

Já no que respeita aos removíveis, o mais conhecido é o Invisalign, que conta com alinhadores transparentes que encaixam nos dentes.
 

2. O Aparelho trazer-lhe-á mais do que um sorriso harmonioso.

É certo que os Aparelhos Dentários apresentam grandes benefícios estéticos, mas os vantagens vão mais além, sendo as mais importantes:

  • Resolução de problemas que resultam do desalinhamento dos dentes, como cáries e consequente perda de dentes;
  • Eliminação de dores e problemas temporo-mandibulares fruto do deslocamento dos maxilares;
  • Promoção de uma boa higiene oral, ao facilitar a passagem de escova e fio dentário;
  • Equilíbrio das forças exercidas nos dentes, distribuindo-as pelas peças dentárias;
  • Correção de problemas de dicção ou de respiração que advêm de deformações ósseas;
  • Melhoria do processo de mastigação e, como consequência, de digestão.

 

3. Pode ser necessário extrair dentes.

Por vezes é preciso arranjar espaço nas arcadas dentárias para que os dentes se desloquem e ocupem as novas posições. Para isso, procede-se à extração de alguns dentes.

No entanto, a realização deste procedimento depende de vários fatores, entre os quais o tipo de Aparelho que usará. Nos autoligados, por exemplo, a necessidade é menor ou inexistente, pois já promove de forma natural o alargamento dos maxilares.
 

4. Hábitos de higiene podem ter de ser ajustados.

Em termos de frequência nas rotinas de higiene, é importante manter ou até melhorar! Porém, estes cuidados devem ser adaptados ao tipo de Aparelho.

Por exemplo, para um modelo fixo procure usar escovilhões próprios que permitem limpar entre as estruturas metálicas. Com as opções removíveis, deve escolher soluções específicas para lavagem dos alinhadores.


 

5. Pode ter de fazer algumas adequações alimentares.

Quando a escolha recai sobre modelos removíveis, a necessidade de alterações alimentares é desnecessária, uma vez que o retira para comer.

num Aparelho Dentário fixo é importante que dispense alguns alimentos sob risco de comprometer o bom estado da estrutura. São exemplos opções:

  • Muito duras ou crocantes;
  • Maleáveis e pegajosas;
  • Com muito açúcar processado.

 

6. Algum desconforto é normal.

Hoje, regra geral, as soluções são muito cómodas. Apesar disso, deve estar consciente que um certo grau de desconforto tolerável e de aumento de sensibilidade dentária é normal, em especial após a colocação do Aparelho ou depois de ajustes.

Além do mais, o nível de conforto pode variar consoante a opção que escolher. O Invisalign, por exemplo, é conhecido por permitir um processo de tratamento quase indolor.

O Aparelho convencional fixo é aquele que é mais associado à dor, pelo risco de feridas no interior da boca e pela pressão constante exercida. Contudo, há formas de contrariar estes factos, por exemplo através de ceras próprias que protegem as estruturas orais do impacto do metal.

 

7. O sucesso do tratamento também depende de si.

Ainda que os Aparelhos sejam eficazes, há sempre a possibilidade de os dentes voltarem a entortar. Assim, além dos cuidados de higiene e alimentação, após o tratamento deve usar uma contenção ortodôntica, consoante orientação médica, para manter os resultados.
 

8. Serão necessárias várias consultas ao longo do processo.

O tratamento tem de ser monitorizado, primeiro, para avaliar a evolução, e depois para realizar eventuais ajustes. Terá de comparecer a várias consultas de acompanhamento, de duração e periodicidade variável.
 

9. Para colocar Aparelho Dentário, precisa de uma avaliação odontológica rigorosa.

Sabendo que existem vários Aparelhos diferentes, escolher exige conhecer as suas necessidades e considerar as características das suas estruturas orais. É preciso então fazer exames, como radiografias, para diagnosticar o problema a corrigir.

Depois, define-se a estratégia terapêutica mais indicada, considera-se os prós e contras de cada opção e por fim procede-se à colocação da estrutura nos dentes.

Todo este processo envolve ajuda profissional experiente. Escolha especialistas de confiança como os da MEDWAY que consigam fazer uma avaliação criteriosa e recomendar o Aparelho Dentário certo. Verá que, desta forma, o resultado compensará totalmente o processo!

Dr.ª Daniela Paiva
Diretora Clínica, Médica Dentista, Ortodontia e Odontopediatria
SeguinteAs 9 Perguntas mais frequentes sobre Implantes Dentários